sexta-feira, 3 de dezembro de 2010

Sítio do Bosco: um recanto frio, verde e sossegado

Um recanto de sossego e paz no alto da Serra da Ibiapaba vem se firmando como um dos principais roteiros de ecoturistas, praticantes de esportes de montanhas e famílias que buscam simplicidade e qualidade em meio à natureza. O lugar é o Sítio do Bosco, uma espécie de oásis encrostado no alto do chapadão que divide os Estados do Ceará e Piauí, localizado no município de Tianguá, na Vila Acarape, distante cerca de 300 quilômetros da capital cearense.

É um refúgio verde e silencioso com área de camping gramada, piscina de água mineral, cavernas, rampa de vôo livre, trilhas, área reflorestada, mirantes, vista panorâmica, clima noturno variando entre 15° e 20°, casa de apoio e um barulhinho bom de vento forte que vem atraindo um público seleto e exigente.

Além de acolhedor, o sítio é ideal para quem prefere, ou precisa, viajar sozinho, não quer carregar muita bagagem ou não é mochileiro de carteirinha. Basta acender a vontade de interagir com a natureza, e conseguir chegar até lá, que a permanência fica garantida com aluguel de barraca (e auxílio na montagem), colchonete, casa de apoio com água e geladeira e acolhimento discreto e caloroso. Tudo à beira de um precipício panorâmico deslumbrante, a 700 metros acima do nível do mar. E, nas proximidades de cada barraca, churrasqueiras com carvão, espeto, ducha ao ar livre, boas conversas e, de quebra, uma redinha de tucum bem ao lado.

O visitante dispõe, também, de três banheiros, um deles com chuveiro quente, três pias, lixeiras e restaurante no café da manhã servindo sucos e bolos regionais e, no almoço, comida caseira e saladas orgânicas.

Mas, o espaço de dez hectares que fica dentro de uma Área de Proteção Permanente (APP), e bem ao lado do Parque Nacional de Ubajara, há bem pouco tempo era área de roçado, e ainda guarda marcas de queimadas e destruição. O proprietário do lugar, João Bosco Muniz Feitosa, relembra que, quando chegou ao local, tudo era diferente, sem vida, mas que, aos poucos, foi resgatando a energia original da terra com o replantio de árvores nativas.

“Quando vim para cá, tinha em mente a preservação, e ainda estamos recuperando. Veja que tem palmeiras daquela época com marcas de queimadas. Nesse trabalho já replantamos cerca de mil mudas de cambuí, ipê, mulungu, mutambeira, mororó, aroeira, gameleira, jatobá, tamarindo, nogueira, cedro e outras. Tudo árvore da mata atlântica”, explica João Bosco, que organizou a nova estrutura do Sítio com fiação e água subterrânea.

Esporte radical
Mas, além do camping, outro atrativo imperdível é o clima frio e seco que circula por lá nesse período do ano, e que torna o lugar perfeito para praticantes de vôo livre, como parapente e asa delta. A rampa, que tem capacidade para comportar até 100 asas delta, vem ganhando fama de ser uma das pistas com melhor estrutura do Ceará. Tanto que, nos fins de semana, o lugar é freqüentadíssimo por pilotos em treinamento para etapas de campeonatos que acontecem país afora e por interessados em aprender a voar com segurança.

De acordo com o ex-praticante de caça submarina e atual incentivador de esportes de aventura, João Bosco, apesar da iniciativa para reflorestar encostas e preservar a fauna, são necessários esforços intensos e contínuos no sentido de conscientizar moradores a respeito de perigos e danos provocados por queimadas. “Há cerca de 30 anos aqui era muito mais frio, tinha neblina o dia inteiro. Com o desmatamento, tudo está mudando. Para se ter idéia, no começo do mês passado (novembro) dava para avistar daqui mais de 50 roçados queimando. A gente chama a brigada de incêndio, porque, além da destruição, tem o perigo do fogo se alastrar”, lamenta Bosco.

Apesar do desmatamento indiscriminado, ainda podem ser encontrados nas proximidades, veado, onça maçaroca, macaco prego, preguiça, sagüi, cotia, paca, preá e outros animais. Atualmente, no Sítio do Bosco, estão replantados mais de 100 fruteiras, entre elas, caju, amora silvestre, manga, abacate, jaca, banana, limão, coco e carambola. Mas são os esportes de aventura o grande atrativo do lugar e o sítio, a cada dia, vem sendo mais procurado por amantes de modalidades como rappel, técnica de descida vertical, utilizada por escaladores interessados em espeleologia (exploração de cavernas) ou canyoning.

A facilidade de acesso aos paredões de mármore, alguns com mais de 25 metros de altura, lisos e com inclinações de mais de 90 graus, permitem prática, aprendizado e aproveitamento perfeitos das técnicas de descida. Tem também o trekking, caminhada em lugar com obstáculos naturais, em trilhas de duas, três horas, até cachoeiras ou cavernas. Esporte que pode ser praticado por pessoas de todas as idades desde que tenha bom preparo físico e utilize equipamentos necessários, como tênis, boné e cantil.

Nas proximidades tem ainda a Caverna do Morcego, a Pedra do Cérebro, o Mirante do Janeiro, a Cachoeira do Pinga Itaguaruna e outros. A reportagem chegou ao Sítio do Bosco no dia da derradeira festa do ano, realizada na noite da lua cheia. Muita gente subiu a serra para curtir uma boa MPB, com direito a fogueira, neblina e um friozinho delicioso.

Cardápio regional
Para visitar o sítio, já considerado um paraíso ecológico na região, é cobrada taxa de manutenção diurna de R$ 5,00. Para quem quiser acampar, o valor é de R$ 15,00. Caso não tenha barraca, o preço vai para R$ 20,00 (casal) e R$ 30,00 (quatro pessoas), com isenção das taxas de manutenção. O café da manhã custa R$ 5,00 por pessoa, com deliciosas tapiocas, pães sem fermento fabricados na Serra da Ibiapaba, sucos de frutas naturais, ovos mexidos, bolos e frutas da época.

No sítio também funciona uma pequena marcenaria onde são reaproveitadas madeiras de árvores tombadas nas proximidades. Os turistas podem apreciar a paisagem em confortáveis sofás rústicos de corda, montados em sabiá. O lugar integra o circuito do CearáVentura e do Festival Mel, Chorinho e Cachaça, realizado anualmente em Viçosa do Ceará.

Mais informações:
Sítio Bosco, Vila Acarape, Tianguá, Serra da Ibiapaba
BR-222, sentido Fortaleza-Tianguá, entrada na localidade de Acarape, primeira rua à direita
BR-222, sentido Piauí-Fortaleza, após Tianguá, em Acarape, vira na última rua à esquerda
(88) 9916.7254

Fonte: Sítio do Bosco







4 comentários:

  1. Dani, parabéns! Mas parabéns mesmo! Tá excelente o seu blog! Eu, como fã desse estilo de vida, vou recomendar seu blog sempre!

    Os textos estão muito bem escritos e o enquadramento das fotos realmente muito bom!

    Esse ano eu pretendo viajar muito pelo Ceará, e as dicas que você dá, são de grande importância.

    Parabéns!

    ResponderExcluir
  2. Dani, parabéns! Mas parabéns mesmo! Tá excelente o seu blog! Eu, como fã desse estilo de vida, vou recomendar seu blog sempre!

    Os textos estão muito bem escritos e o enquadramento das fotos realmente muito bom!

    Esse ano eu pretendo viajar muito pelo Ceará, e as dicas que você dá, são de grande importância.

    Parabéns!

    Sérgio Grilo

    http://www.sergiogrilo.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Dani, parabéns pelas informações...
    Conheço o sítio do Bosco, realmente é um lugar deslumbrante. Mas não sabia desse lado negativo das queimadas. Conversei com o Bosco mas ele não comentou sobre esse fato. Sou geógrafo de Belém do Pará e me preocupo com essa situação da falta de consciência ambiental que ainda existe em nosso país. Mas vamos lutar para amenizar essa problemática. Viva a natureza!!!
    Mosoco Evanovich

    ResponderExcluir
  4. Pessoal, favor não ligar para o número (88) 9916.7254 indicado acima, pois não pertence a ninguém relacionado ao sítio.

    ResponderExcluir